Médico dos olhos: entenda a importância da consulta oftalmológica

Segundo a OMS, 12 milhões sofrem de condições que poderiam ser facilmente diagnosticadas e corrigidas

Médico dos olhos: entenda a importância da consulta oftalmológica

Para aqueles que acreditam que a profissão de médico dos olhos é algo novo, na verdade os oftalmologistas já existiam 4 a 5 mil a.C. A atenção aos olhos, tão importante para o corpo, não é novidade. Entretanto, apenas em 1864 o médico holandês Frans Cornelis criou o moderno sistema de receita e adaptação de óculos para várias deficiências visuais.

O que é um oftalmologista?

Como uma especialidade médica, a oftalmologia estuda e trata doenças e erros de refração apresentados nos olhos. Apenas um oftalmologista deve examinar, receitar óculos ou lentes de contato, diagnosticar e tratar doenças oculares, e essa evolução aconteceu no Brasil em 1934, e permanece na nossa Constituição Federal. Isso porque nem todos os problemas de visão acontecem pela necessidade de óculos.

O oftalmologista é o médico dos olhos, especializado em preservar a saúde ocular e estabelecer melhor visão possível ao paciente. Diagnostica e trata patologias nos olhos e seus anexos, seja clínica ou cirurgicamente. Assim, seu objetivo não está apenas no tratamento de patologias oculares, mas também na sua prevenção. Todavia, 47% dos brasileiros acreditam que as alterações visuais apresentam sintomas assim que aparecem, o que não é verdade.

Qual a sua importância?

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 246 milhões de pessoas sofrem de perda moderada ou severa da visão e 19 milhões de crianças com menos de 15 anos tem problemas visuais. Desse total, 12 milhões sofrem de condições que poderiam ser facilmente diagnosticadas e corrigidas.

O cenário brasileiro desagrada quando sabemos que dos 65% dos brasileiros com alguma dificuldade de enxergar, metade não faz nenhum acompanhamento anual com um oftalmologista. Com os anos, o ideal é intensificar os cuidados com a saúde dos olhos e anexos.

É de extrema importância estar atento a saúde dos nossos olhos. Mais de três mil doenças diferentes podem afetá-los. As células com maior metabolismo de todo nosso organismo estão no sistema ocular, com milhões e fotossensíveis. Nossa visão, por exemplo, é 600 vezes mais sensível que a câmera digital mais moderna. Além disso, a poluição, o ar-condicionado e a baixa umidade podem ser inimigos dos nossos olhos.

Entre as muitas disfunções que um oftalmologista trata, estão: problemas refrativos (como miopia, astigmatismo e hipermetropia), catarata, glaucoma, estrabismo, daltonismo, retinopatia diabética, conjuntivite e muitos outros.

Em casos de emergências, é importante consultar um oftalmologista. Trata-se de uma região de extrema sensibilidade. Além disso, diagnosticar as doenças com antecedência é muito importante para o tratamento. E caso você use óculos, é importante estabelecer uma frequência para verificar mudanças no grau e ajustes.

Oculista x Oftalmologista

Uma confusão pode acabar sendo feita entre o termo oftalmologista e oculista, porém não se tratam de sinônimos. O oftalmologista é o médico dos olhos, responsável por avaliar as disfunções dos olhos dos pacientes, prescrever remédios e emitir receitas para tratamento. Já o oculista se trata do profissional de laboratório, encarregado de interpretar as receitas que o médico escreveu e produzir as lentes para os óculos. Logo, sua função traz um teor mais prático e técnico da produção dos óculos e das lentes. Entretanto, nenhum dos dois são dispensáveis quando tratamos da saúde dos nossos olhos.

Quando consultar o médico de olhos?

Ao longo da vida, são diversos os cuidados necessários. Os recém-nascidos, por exemplo, devem fazer o teste do olhinho, verificando se não houve problemas congênitos e se responde a estímulos visuais da maneira correta. Já na infância e adolescência, dores de cabeça podem ser indícios de necessidade de lentes corretivas, ainda mais com a intensificação dos estudos, e o glaucoma congênito já pode aparecer.

Para adultos, o uso excessivo do computador para trabalho e celular pode fazer forçar a vista, com o excesso de exposição à luz artificial. Nos idosos muitas doenças são comuns, como catarata e diabetes e as causas podem ser muitas, como alimentação inadequada, excesso de glicose no sangue pode causar cegueira.

De acordo com a AOA (American Optometric Association), as consultas devem ser feitas:

  • Pelo menos uma vez a intervalos de dois anos ou conforme recomendado, para os adultos entre os 18 e os 60 anos;
  • Anualmente ou conforme recomendado, entre os 6 e os 18 anos ou a partir dos 61;
  • Aos 6 meses e aos 3 anos de idade ou conforme recomendado.
  • E lembre-se da importância do primeiro exame oftalmológico, que deve ser feito aos seis meses. Com ela que você antecipa os problemas de visão da criança, e caso possua alguma doença, ela receberá o tratamento com antecedência.
  • Quanto custa consultar um oftalmologista?

    Saber o valor preciso de uma consulta em um médico dos olhos depende muito, já que existem diferentes médicos de diferentes padrões aquisitivos, clínicas sofisticadas e populares. Também é necessário entender quais investimentos estão envolvidos, tanto para desenvolvimento do profissional, como cursos e congressos, quanto o valor envolvendo os médicos especializados, equipamentos de testes, locação do imóvel e muito mais.

    Mas uma média de consulta com um especialista está entre R$ 150 e R$ 200 na rede pública. Em caso de eventuais procedimentos e medicamentos para tratamentos, é necessário investir mais dinheiro. O valor de uma consulta deve ser avaliado visando a técnica do atendimento.

    Já com um convênio de benefícios são ofertados até 65% de desconto em uma consulta, desde que a visita seja a algum profissional credenciado. Optando por um convênio, você está antecipando os gastos emergenciais que pode ter.

    Com a assinatura do Pop Saúde você consegue descontos ainda maiores na sua consulta com o oftalmologista, confira nosso site e conheça todos os benefícios que você pode ter na palma da mão.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *