Oxford/AstraZeneca, Coronavac ou Pfizer, qual vacina é mais eficiente?

Vacinas do COVID-19

Oxford/AstraZeneca, Coronavac ou Pfizer, qual vacina é mais eficiente?

Você já deve ter ouvido falar das vacinas de COVID-19 que estão sendo desenvolvidas em diversos países, mas qual dessas é a melhor? Quando teremos acesso a essas vacinas? Tire suas dúvidas agora com as últimas notícias sobre elas.

Nos últimos meses diversos países começaram a desenvolver possíveis vacinas contra o novo coronavírus. Essa corrida pela vacina traz uma mistura de animação com incerteza, já que nenhuma das vacinas ainda foi comprovada como 100% eficiente.

Como funcionam essas vacinas?

A grande maioria das vacinas consiste em injetar um vírus ou bactéria em nosso corpo para que o nosso sistema imunológico possa identificar a ameaça e criar formas de se defender contra tal ameaça.

No caso de um vírus como o do COVID-19, ele pode estar enfraquecidos ou inativados, sem nenhum risco de nos deixar doentes.

Existem também as vacinas subunidades, em que são utilizados apenas pequenos fragmentos característicos de um vírus, como uma proteína. Essas proteínas são produzidas em laboratório e purificadas para serem utilizados na vacina.

Porém, existe ainda um terceiro tipo de vacina do COVID-19, a vacina gênica. Nesse tipo de vacina o responsável por criar a proteína do vírus é o nosso corpo. Interessante, não é?

Cada uma das 3 principais vacinas citadas usa um tipo diferente de técnica de desenvolvimento, o que, de certa forma, facilita o processo de encontrar a vacina ideal para combater o novo coronavírus.

Comparativo entre as vacinas

Confira agora o comparativo entre as três vacinas citadas:

  • A vacina desenvolvida no Reino Unido, Oxford/AstraZeneca, é bastante promissora, com uma boa taxa de eficácia, porém, não é a que apresenta o melhor resultado dentre as outras populares.
  • Oxford/AstraZeneca – Essa vacina possui o vírus geneticamente modificado, com eficácia de 62-90%. Seriam aplicadas 2 doses, que precisam ficar refrigeradas em temperatura normal de refrigerador.
  • Já a vacina Pfizer/BioNTech, desenvolvida nos Estados Unidos, com uma parceria com o laboratório de biotecnologia alemão, mostra resultados mais promissores, com cogitações sobre uma possível fase de vacinação no Reino Unido.
  • Pfizer/BioNTech – Essa vacina é do tipo RNA, uma vacina gênica, onde nosso corpo deve produzir a proteína do vírus, com uma eficácia de 95%. Seriam aplicadas 2 doses, que precisam ser refrigeradas em uma temperatura de -70ºC.
  • A Moderna é vacina desenvolvida por outro laboratório nos Estados Unidos, com eficácia similar à da Pfizer/BioNTech. O pedido para vacinar a população americana já foi solicitado pela empresa que desenvolveu a vacina.
  • Moderna – A vacina também é do tipo RNA (Parte do código genético do vírus) e apresenta uma eficácia de 94,5%. Se trata de uma vacina de 2 doses, que devem ser refrigeradas em pelo menos -20ºC até 6 meses.
  • Agora a vacina CoronaVac, da empresa chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, chegou ao Brasil nessa quinta-feira (3) e promete ser a vacina que será utilizada nas fases de vacinação aqui do Brasil, porém, não teve muitas informações divulgadas. Sabe-se apenas que se trata de uma vacina com vírus inativado.

Resultados sobre a eficácia dessa vacina podem sair até dia 15/12/2020.

Fases da Vacinação

A vacinação contra a COVID-19 está prevista para Janeiro, com a CoronaVac, e contará com 4 fases de vacinação no início desse processo. São elas:

  • Primeira fase
  • As primeiras doses da vacina serão aplicadas em profissionais da saúde, idosos a partir de 75 anos, população indígena e para quem tem mais de 60 anos e vive em asilos ou instituições psiquiátricas.

  • Segunda fase
  • Vacinas serão aplicadas em pessoas de 60 a 74 anos de idade.

  • Terceira fase
  • Pessoas com doenças com risco de agravamento caso seja contaminado com COVID-19, como doenças respiratórias e cardiovasculares.

  • Quarta fase
  • Na quarta fase, as doses da vacina serão aplicadas em professores, forças da segurança e salvamento, funcionários do sistema prisional, assim como a população privada de liberdade.
    Depois dessas quatro etapas de vacinação, estima-se que 109,5 milhões de pessoas estarão vacinadas, o que corresponde a metade da população do país, levando em consideração as duas doses.

Vacinação em outros países

Outros países também estão cogitando iniciar a fase de vacinação em pouco tempo. A Turquia, por exemplo, começará a vacinar a população em 11 de Dezembro, com a vacina CoronaVac.

Já o Reino Unido, começa a vacinação na próxima semana, após provar que a vacina da Pfizer é imunizante. Se tornou o primeiro país do mundo a aprovar uma vacina contra o coronavírus para uso generalizado, para toda a população.

Na Rússia, foi anunciado que equipes de saúde e a população começarão a ser imunizados nas próximas semanas.

Na Alemanha a vacinação ocorrerá em Berlim, para 450 mil habitantes, até metade de dezembro. Centros de vacinação estão sendo criados em várias regiões do país, com o objetivo de fazer 20 mil aplicações, para idosos e pessoas do grupo de risco, primeiramente.

O que acha dessa vacinas? Será que a solução para a pandemia está mais próxima do que imaginávamos? Deixe aí o seu comentário!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 Comentários

Franquinto silva 3 de agosto de 2021

Legal

Franquinto silva 3 de agosto de 2021

Legalmente legal